Síndrome de Ansiedade de Separação (SAS)

Seu cãozinho fica muito tempo sozinho em casa? Como ele costuma se comportar? Faz as necessidades fora do lugar e destrói objetos e móveis quando você sai de casa? Lambe ou morde as patinhas em excesso? Chora e/ou late sem parar? Ou até mesmo tem comportamento totalmente apático, passa o dia deprimido e a ponto de não fazer suas necessidades e ou se alimentar, só porque está sozinho? Melissa Então, atenção, ele pode estar com o que chamamos de Síndrome de Ansiedade de Separação (SAS). Isso ocorre quando o cãozinho não sabe ficar sozinho e/ou longe de determinados membros da família. É um comportamento considerado natural e normal até certo ponto. Como tudo em excesso não é bom, logo, esses comportamentos de forma excessiva precisam de atenção redobrada.

Por natureza os cães sentem constante necessidade de estar em grupo, seus instintos dizem isso. Portanto a ansiedade de separação exagerada acaba se tornando um sério problema de comportamento. Normalmente, boa parcela dos cães de companhia passam um tempo sozinhos em casa, até por conta da rotina dos seus donos. Dessa forma, alguns desenvolvem esses comportamentos irregulares que servem para atrair os outros membros da matilha, como os latidos e uivos, ou destroindo os objetos para extravasarem suas ansiedades.

Mas como isso acontece?

Simples: Pode acontecer por uma mudança na rotina, após uma mudança de casa, um novo membro na famíla, ou pelas atitudes erradas dos donos, no dia a dia do seu cão – às vezes, esse é o fator principal.

Duas atitudes bem agravantes são: fazer festa e gerar muita importância ao chegar em casa e a outra é mimar demais o pet:  mantê-lo no colo por muito tempo, trata-lo feito criança e fazer todas as suas vontades. São atitudes super erradas e devem ser evitadas no dia a dia.

Separei algumas dicas para NÃO estimular os agravantes dessa síndrome:

– Mantenha sua chegada mais discreta: nada de dramatizar e evite retribuir a festa! Não é fácil, mas vale a pena – o cão será diretamente beneficiado -. Espere até que ele esteja calmo para dar atenção.

– Nas saídas: dê o brinquedo favorito dele, mas retire assim que chegar.

– O cão também precisa aprender a ser mais independente, nada de ficar mimando demais o seu pet; Você pode dar carinho e atenção, mas sem exageros.

– Reforce os passeios antes das saídas. Assim seu cão já começará o dia gastando energia.

– Outra dica que eu gosto bastante é o enriquecimento ambiental, ele serve para todos cães, que sofram ou não da SAS. Ele proporciona estímulos físicos e mentais, afim de manter seu cãozinho em atividade. Assim o ele não se sentirá tão solitário e nem sobrará tempo para fazer as artes.

Lembre-se que os cães são bem sensíveis às nossas energias, portanto nada de sentimentos de “culpa” ao sair e nem de “pena” ao voltar. Esteja sempre relaxado e faça tudo da maneira mais natural possível. Logo ele entenderá que não é tão dramático ficar um tempo sozinho. Para um diagnóstico mais detalhado da Síndrome, aconselho buscar  auxílio de um veterinário. Dependendo do caso, será preciso avaliar uma série de causas para dar um tratamento mais eficaz.

Para saber mais sobre cães, fique de olho no blog e em nosso Facebook!

Anúncios