Meu cão pegou carrapato! E agora?

Só de ouvir esse nome já sinto arrepios… Imagina encontrar carrapatos em meio aos pelos dos meus pequenos! Pois é, tive esse desprazer.

Em meados de janeiro desse ano, me mudei de Campinas para São Paulo. Saí de um apartamento e vim para uma casa térrea com quintal grande, mais cachorros, muita área verde, rua sem saída e muitos vizinhos não tão preocupados quanto eu. Resultado? Infestação por carrapatos logo na primeira semana. Quase enlouqueci, corri imediatamente para o veterinário e pedi o máximo de informações. Afinal, antes eu não me preocupava tanto – e até achava que nunca aconteceria com a gente.

Descobri que, no Brasil, existem quatro tipos de carrapatos, sendo os mais comuns o carrapato-vermelho-do-cão (que transmite  babesiose canina e erlichiose, conhecida como “doença do carrapato”) e o carrapato-estrela (que tem como hospedeiros preferidos os eqüídeos, mas pode também parasitar bovinos, outros animais domésticos e animais silvestres).

Foram os 2 meses mais longos que já passamos… rs… Entre idas e vindas ao veterinário e muitos remédios sem resultado, com muita persistência consegui eliminar 100% dos carrapatos! Não foi fácil, mas espero ajudar com as dicas que vou repassar aqui.

1° higienizar o ambiente.

A primeira coisa a se fazer em caso de carrapatos é limpar o ambiente. Não apenas com produtos comuns de limpeza e sim com produtos específicos para matar esses bichinhos. No mercado pet existem vários tipos e marcas. Aqui, por ser casa térrea com quintal, a veterinária me indicou 2 diferentes:  Triatox para o quintal e K-Othrine para casa em geral. Ambos são venenos potentes, porém o Triatox é mais forte e promete alta proteção da área total, evitando assim que venham carrapatos de fora (das casas vizinhas, por exemplo). O K-Othrine tem um cheiro mais suave (por isso foi indicado para a área interna da casa) e ajuda a eliminar possíveis ovos ou filhotinhos que fiquem em locais de difícil alcance. Além desses produtos, existe também o Butox, que é o mais usado para manutenção dos ambientes tanto internos quanto externos.
Lembrando que todos são venenos e precisam ser manipulados com certo cuidado, com luvas e longe dos animais domésticos. Também nunca devemos dar banhos terapêuticos com esses produtos sem uma indicação veterinária, pois seu cão pode acabar tendo reações alérgicas e até mesmo vir a óbito.

2° eliminar os carrapatos do animal.

Por que esse passo está em segundo? Porque não adianta limpar o cão e ter focos em casa, o bichinho sempre dá um jeito de voltar… rs
Essa etapa é a mais difícil, usei várias pipetas de marcas variadas e nada resolveu. Acredito que as pipetas são ótimas para prevenção, mas após a manifestação, no meu caso, só funcionou o Frontline Spray. Enquanto testava as pipetas tradicionais, ia tirando os carrapatos com a mão mesmo, igual mãe faz com criança que tem piolho… rs
Mas no caso do carrapato temos que ter muito cuidado. Não podemos apertá-lo, o melhor é ter um vidrinho com álcool líquido e ir jogando os bichinhos lá dentro conforme forem retirados do cão. Na hora de puxar, temos que tentar ao máximo tirá-los inteiros. E não se assustem, eles fazem feridinhas no cão mesmo. 😦
Não usei nada tópico nas feridas, até porque já estava na luta das pipetas. Assim, conforme ia encontrando feridinhas, eu passava só um tico de álcool para aliviar. Depois de muitos carrapatos, pipetas e consultas veterinárias, veio a última tentativa: o lindo Frontline Spray! Um produto bem caro, mas com resultado excelente! Bastou uma aplicação seguindo as instruções do rótulo e do veterinário e os carrapatos simplesmente sumiram…
Mesmo sendo um produto indicado para uso tópico, não podemos esquecer dos cuidados básicos, como a utilização de luvas para aplicação e atenção para que o cachorro não vá ingerir o carrapaticida. Também temos que ter cuidados com os olhos e demais orifícios tanto do corpo do cão quanto do nosso. O ideal é passar em local bem aberto. O cheiro é bem forte no início, mas  depois de seco quase não se sente nada.
Lembre-se também de que todo produto carrapaticida deve ser usado 3 dias antes ou 3 dias depois do banho do animal.

3° manutenção.

Essa última etapa é, na minha opinião, a mais importante. A manutenção deve ser feita semanalmente, especialmente da casa. Sim, toda semana lavamos o quintal com Triatox e passamos K-Othrine dentro de casa. Porque tudo isso? Aqui onde moro tem muito foco de carrapatos, cães que tem donos mas vivem na rua, gatos pulando de telhado em telhado, entre outras coisas.
Claro que, para quem mora em lugar com menos movimentação, a manutenção pode ser mais espaçada, entretanto pelo menos no primeiro mês após o fim da manifestação acho bom fazer toda semana. Afinal, nunca sabemos o que sobrou naquele cantinho da parede né… rs
Também é bom manter o uso da pipeta sempre em dia e verificar no rótulo qual o período de proteção de cada produto. Já vi casos de um produto proteger por 90 dias contra carrapatos e apenas 30 contra pulgas (ou vice-versa).
É sempre importante ler bem o rótulo de todo produto antes mesmo de comprar.

Estou desde março completamente livre dos carrapatos e espero que essa minha experiência não tão positiva ajude quem estiver passando pelo mesmo problema. Destaco também que passei várias vezes pelo veterinário e é de suma importância esse acompanhamento! Carrapatos podem transmitir doenças e só seu veterinário de confiança saberá como ajudar nesse caso.

Aproveite e curta a nossa fanpage! Temos sempre novas dicas para vocês!

Anúncios